Segundo dados da Fiocruz, a depressão pós-parto afeta um quarto da população brasileira, dos quais 26,3% são mulheres, proporção muito superior à média dos países de baixa renda. 19,8%. Apesar disso, homens e mulheres em todo o mundo ainda sabem muito pouco sobre depressão pós-parto (DPP). Embora chocantes, os números não mostram os danos que o mal pode causar. Embora a depressão seja uma doença recorrente na vida moderna, mesmo entre as mulheres sem histórico médico, as mulheres são mais propensas ao início repentino de depressão pós-parto. Sem tratamento adequado, a depressão pode se tornar crônica e irrecuperável e até levar à morte precoce. Por isso saiba sobre a Depressão pós-parto conheça algumas verdades.

Depressão pós-parto conheça algumas verdades

Depressão pós-parto conheça algumas verdades

Assim como as pessoas não sabem muito sobre essa doença, por exemplo, nem todo mundo sabe que os programas de assistência médica podem desempenhar um papel importante na reabilitação das mulheres.

Como as informações sempre foi e sempre são o melhor tratamento, incluindo preconceito, agora compreenda as 6 verdades sobre a depressão pós-parto e como os planos de saúde podem ajudar o tratamento.

Você sabia que a tristeza e os sentimentos extremamente sensíveis poucos dias após o parto podem afetar até 80% das mulheres? Não, não se trata de depressão pós-parto. É a famosa “depressão infantil”. É uma depressão causada por distúrbios hormonais. Não melhora gradualmente até a segunda semana após o parto.

A depressão pós-parto é diferente – e mais grave. Pode aparecer da quarta semana à sexta semana após o nascimento, ou pode aparecer a qualquer momento no primeiro ano após o nascimento da criança, que pode durar até dois anos.

Sintomas

Alguns sintomas geralmente indicam depressão pós-parto. Alguns desses são sentimentos de raiva, desinteresse ou rejeição do bebê; sono e comida descontrolados; sentimento de frustração e incompetência; sofrimento desproporcional com pensamentos suicidas e, em alguns casos, pensamentos suicidas; desinteresse pelas atividades diárias ou divertido; etc.

Embora existam algumas coisas em comum na maioria dos casos, nem todas as mães com depressão pós-parto interagem com o bebê da mesma maneira – elas podem se retirar e não têm interesse no bebê; invasivo, atingindo um contato físico áspero; Interação exagerada com filhotes.

Peça a ajuda

Mas não tente se automedicar, porque o plano de saúde SJC permite que você entre em contato com os melhores especialistas. Além de antidepressivos e psicoterapia, os tratamentos de DPP podem incluir outras terapias relacionadas, além de mudar os hábitos.

Por exemplo, o exercício físico regular como o Muay Thai é um deles. Segundo um artigo publicado pela Harvard Medical School, em muitos casos, como Danny, apenas o exercício físico é suficiente para se livrar da depressão.

Por outro lado, o plano de saúde possui disposições obrigatórias para psicoterapia. De acordo com a lista de procedimentos e eventos de saúde da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que regulamenta o plano, desde que determinados critérios sejam atendidos, o beneficiário tem direito a pelo menos 18 sessões de tratamento por ano.

O apoio à família é importante, mas mais importante, com ou sem o apoio de um parceiro ou família, as mulheres devem perceber que precisam de ajuda.

Saiba mais

Por isso nós corretores de vendas de planos de saúde em São José dos Campos, estamos a sua disposição para ajudar.

Depressão pós-parto conheça algumas verdades